terça-feira, 31 de maio de 2016

Conhecendo Salvador - 1º dia


Acho que desde 2005 que eu nutria uma vontade imensa de conhecer Salvador, principalmente porque minha primeira amiga virtual é soteropolitana e depois fiz outra amiga virtual de lá, em meados de 2009 - tudo por culpa das fanfics. Mas sempre ficava apenas nos planos essa viagem. Até que ano passado, quando foi anunciado shows da turnê do Maroon 5 no Brasil, uma das seis cidades era Salvador. Eu comprei os ingressos no dia que começaram a vender, no fim de agosto, com medo de esgotarem logo e tive aproximadamente seis meses para organizar a viagem.

Muitas abas de sites de viagens abertas, companhias aéreas e blogs que falavam sobre os pontos turísticos de Salvador, fui criando um roteiro, para não ficar muito perdida por lá. Claro que a ajuda das minhas duas amigas que foi fundamental, porque elas conhecem a cidade na prática. Planejar é uma mão na roda, otimiza muito o tempo. Mas é claro que demos uma de turistas por lá.

Eu e meu marido chegamos dia 09 de Março na capital baiana, já à noite. Minha amiga Letícia nos buscou no aeroporto e nos levou até o hotel. Lety é a minha primeira amiga virtual, minha mamys numa família de ficwriters e um amor de pessoa. Nesse dia não fizemos mais nada, só nos instalamos no hotel mesmo. 

No dia 10, logo pela manhã, fomos buscar o carro que alugamos para alguns dias. Depois fomos até o Mordidinhas da Jeu, que fica na Pituba, para encontrar rapidamente minha outra amiga virtual, a Jeu (rs). Almoçamos em um Subway por ali mesmo e decidimos que o passeio daquele dia seria pelo Centro Histórico. 

O trânsito de Salvador é uma loucura e até chegar no nosso destino passamos por muitas subidas. Para achar um lugar para estacionar próximo ao local não foi fácil, paramos umas três quadras antes. O primeiro ponto turístico que visitamos foi o Mercado Modelo, que no começo pensei que seria semelhante ao Mercado Municipal de São Paulo, mas em Salvador vendem vários souvenirs da cidade, como camisetas, chaveiros, ímãs de geladeiras, cartões postais, miniaturas, entre outros. 


Como iríamos andar muito, deixamos para comprar as lembrancinhas depois. Assim que saímos de lá, demos de cara com o Elevador Lacerda, que até então eu não entendia muito bem como funcionava, mas é um meio de transporte que liga as Cidades Baixa e Alta, o custo é de 0,25 ou 0,35 centavos, não me lembro. Tiramos várias fotos na parte de cima, ao lado do elevador, inclusive do Mercado Modelo visto de lá.


Pela cidade há vários lugares com o nome SALVADOR numa espécie de letreiro em 3D mega colorido. Este na foto fica bem em frente ao Palácio Rio Branco, antiga sede do governo da Bahia.


Seguimos as placas que indicavam o caminho para o Pelourinho e chegamos ao Largo Terreiro de Jesus. Fomos desbravando a primeira rua que vimos ao redor da praça e acertamos em cheio num dos nossos destinos: a Fundação Casa de Jorge Amado.


No caminho fiz uma "turistada" e tirei foto com uma baiana, rs. Já na Casa de Jorge Amado, pagamos uma taxa de R$3,00 para entrar. No andar de baixo fica uma lojinha e um café. No andar de cima fica todo o acervo do museu, com uma linha do tempo sobre a história do autor, suas obras publicadas, seus objetos pessoais e de trabalho, o fardão da Academia Brasileira de Letras, algumas versões das obras dele em outros idiomas. Para os amantes da Literatura (ou formados em Letras como eu), é uma parada obrigatória e muito compensatória.  

Algumas inspirações para o Máquina de Escrever, rs. 
 

Depois tiramos algumas fotos pelo cenário mais famoso da Bahia. A casa onde foi gravado parte do clipe da música They Don't Care About Us, do Michael Jackson, infelizmente estava à venda, então só tiramos foto por fora (tem um banner pendurado na sacada e um display de papelão nela).


Voltamos para o Centro Histórico e resolvemos visitar a Igreja e Convento de São Francisco. Eu já estava um tanto cansada. O valor para visitar o local é de R$ 5,00. Meu marido ficou impressionadíssimo como todo o ouro que existe dentro da igreja, no altar, paredes e até no teto. A construção é uma das obras mais características do Barroco Brasileiro. Só achei que a preservação dos azulejos pintados no pátio e em alguns ambientes externos da igreja deixou muito a desejar. Não sei se é uma das medidas de conservação, mas acho que poderiam melhorar nesse aspecto.


Quando saímos da igreja, comemos em uma lanchonete ali perto que serve sanduíches tipo fast food. Voltando para o elevador, ainda tentamos visitar a Faculdade de Medicina da Bahia, mas o horário para visitas já havia encerrado. Tirei só uma foto da fachada mesmo.


Por fim, voltamos ao Elevador Lacerda e tiramos uma foto dele ao pôr do sol. Nosso passeio no primeiro dia se encerrou assim. Foi uma tarde cheia de caminhadas, mas muito proveitosa. Conhecemos alguns dos principais cartões postais baianos.



Aguardem os posts sobre os outros dias que estivemos por lá. Acho que até início da semana que vem sai o próximo.

E vocês, conhecem a capital baiana? 

Beijinhos! <3

Um comentário:

  1. Olá Juliana, com certeza uma viagem inesquecível! só faltou a foto do lado do Michael rs. Bjs!

    ResponderExcluir